Luiz Fontes


Acesse o Novo Blog - http://luizfontes.blogspot.com/



Escrito por Luiz Fontes às 17:59:57
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


 

ESTUDO DOS REIS DE JUDÁ

 

ACAZ - CORAÇÃO PERVERSO

 

731 a.C. - 715 a.C.

 

•2        Rs 16.1-20; 2 Cr 28.1-27

 

Segundo a Palavra de DEUS Acaz, foi o décimo segundo rei de Judá, e reinou 4 anos junto com Jotão, seu pai, e depois, sozinho, mais 16 anos (736-716 a.C.). Foi um dos piores reis de Judá. No tempo do governo de Acaz em Judá, a Assíria era o império dominante. Foi esse império que DEUS usou para disciplinar o reino do Norte (Israel) no ano 722 a.C.

Em 2 Rs 16.7,8 podemos perceber nitidamente o quanto ele estava comprometido com Tiglate-Pileser, rei da Assíria quando diz "Eu sou teu servo e teu filho". Percebe-se a falta de senso desse rei, que preferiu ser conhecido como filho de um ímpio.  Ao que nos parece, Acaz se sentia à vontade nos templos pagãos da Assíria; todo aquele poder o impressionava e contagiava o seu coração. Ele foi seduzido por uma religião libertina em que a prosperidade e o senso de vitória predominavam. Durante todo seu reinado, não se vê um coração que se humilha diante de DEUS. Acaz não sentia em seu coração o peso dos seus pecados diante de DEUS. Ele sacrificou os próprios filhos em ritual satânico - (2 Cr 28.3).

Acaz é para nós uma figura da degradação espiritual mais elevada que podemos encontrar em um descendente de Abraão. Nesse tempo o reino de Judá foi marcado por grandes perdas. A Síria derrotou Judá e levou uma grande quantidade de presos - (2 Cr 28.5); o reino de Israel também obteve grande vitória contra Judá. Num só dia, Peca, filho de Remalias, matou em Judá cento e vinte mil homens poderosos. A Bíblia diz que isso aconteceu "por terem abandonado o SENHOR, DEUS de seus pais" - (2 Cr 28.6). Nessa batalha Israel levou cativo duzentos mil homens e mulheres, e grandes despojos. A Bíblia diz que ainda os Edomitas e os Filisteus pelejaram contra Judá e venceram levando ainda mais cativos. O mais impressionante, é que em nenhum momento se vê Acaz arrependido. Ele não busca a DEUS. No versículo 16 do capítulo 28 de 2 Crônicas diz que ele busca ajuda do rei da Assíria, mas que este não o ajudou, embora tendo Acaz dado a ele os tesouros da Casa do SENHOR.

Quanto mais a angústia aumentava, mais ele se afundava em sua idolatria. Ele passou a buscar e adorar os deuses da Síria, porque dizia ele: "Visto que os deuses dos reis da Síria os ajudam, eu lhes oferecerei sacrifícios para que me ajudem a mim". Lamentabilismo engano, esses deuses não o puderam livrar.

Acaz em sua perversidade sem medida toma os utensílios sagrados da Casa do SENHOR e os faz em pedaços, e ainda, fecha as portas da Casa do SENHOR - (2 Cr 28.24). Morreu aos trinta e seis anos, ainda bem jovem. Não foi sepultado nos sepulcros dos reis de Judá, pois foi considerado um rei indigno.



Escrito por Luiz Fontes às 12:30:49
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


 

CORAÇÃO PERVERSO

 

A Bíblia diz em Hebreus 3.10 e 12: "Por isso, me indignei contra essa geração e disse: Estes sempre erram no coração; eles também não conheceram os meus caminhos. Tende cuidado, irmãos, jamais aconteça haver em qualquer de vós perverso coração de incredulidade que vos afaste do DEUS vivo". Quero analisar algumas frases deste texto para que espiritualmente venhamos entender o coração de Acaz, e ver o quanto podemos nos tornar vítimas do nosso próprio coração.

Em Hebreus 3.10 o autor dessa epístola diz: "esses sempre erram no coração" - No grego o vocábulo "erram" é planao, que significa: "engano", "desviar", "conduzir longe da verdade". Nenhum coração é mais perverso que um coração de incredulidade. Nada ofende tanto a DEUS quanto nossa incredulidade. Todo pecado viola a lei justa de DEUS, mas alguns pecados insultam o próprio DEUS, como é o caso do pecado da incredulidade.

"Tende cuidado..." - No grego esta palavra (expressão) é blepo, que significa: "saber por experiência", "considerar".

"Perverso coração" - A palavra "perverso" no grego é  poneros, descreve uma condição geral.

O vocábulo "coração" é comum no Antigo e no Novo Testamento, referindo-se ao homem interior. Freqüentemente está relacionado a parte emocional e intelectual do homem. Na Septuaginta (tradução do original hebraico do A.T., para o grego, completada cerca de duzentos anos antes de CRISTO), esse termo é usado cerca de mil vezes; e no N.T., é usado por cerca de cento e sessenta vezes.

A expressão "perverso coração" é encontrada no Antigo Testamento em Jeremias 16.12; 18.12.  Quando o coração é endurecido vemos a ordem de desvio gradual: pecado, mente iludida, coração endurecido, incredulidade e apostasia.



Escrito por Luiz Fontes às 12:30:29
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


 

PECADO DELIBERADO

 

Ainda na epístola aos Hebreus vamos ler o capítulo 10 e os versículos 26 a 29:

v.26: "Porque, se vivermos deliberadamente em pecado, depois de termos recebido o pleno conhecimento da verdade, já não resta sacrifício pelos pecados";

v.27: "pelo contrário, certa expectação horrível de juízo e fogo vingador prestes a consumir os adversários".

v.28: " Sem misericórdia morre pelo depoimento de duas ou três testemunhas quem tiver rejeitado a lei de Moisés".

v.29: "De quanto mais severo castigo julgais vós será considerado digno aquele que calcou aos pés o Filho de Deus, e profanou o sangue da aliança com o qual foi santificado, e ultrajou o ESPÍRITO da graça?".

 

O que é o pecado deliberado? No grego a expressão "deliberado" é hekousios que significa: "voluntário", "de boa vontade", "espontâneo". Quando estudamos a vida de Acaz o que vemos é justamente isso. Um homem que mesmo tendo uma herança espiritual divina, preferiu seguir seu próprio caminho.

Se você estuda a epístola aos Hebreus, perceberá que esse pecado está dentro do contexto de todo ensino que foi ministrado desde os versículos 19 a 25:

v.19: "Tendo, pois, irmãos, intrepidez para entrar no Santo dos Santos, pelo sangue de JESUS".

v.20:  "pelo novo e vivo caminho que ele nos consagrou pelo véu, isto é, pela sua carne",

v.21: "e tendo grande sacerdote sobre a casa de DEUS",

v.22: "aproximemo-nos, com sincero coração, em plena certeza de fé, tendo o coração purificado de má consciência e lavado o corpo com água pura".

v.23: "Guardemos firme a confissão da esperança, sem vacilar, pois quem fez a promessa é fiel".

v.24: "Consideremo-nos também uns aos outros, para nos estimularmos ao amor e às boas obras".

v.25: "Não deixemos de congregar-nos, como é costume de alguns; antes, façamos admoestações e tanto mais quanto vedes que o Dia se aproxima".

 

Quero que você preste atenção no versículo 26: "Porque, se vivermos deliberadamente em pecado, depois de termos recebido o pleno conhecimento da verdade...". Essa frase "pleno conhecimento da verdade"  indica o que acabamos de ler nos versículos 19 a 25:

     1º. A verdade do sangue de CRISTO que nos abriu o caminho para o Santo dos Santos;

     2º.O termo "tendes" revela a certeza quanto à pessoa do nosso Sumo Sacerdote. Esse Sumo Sacerdote é o Filho de DEUS, nosso SENHOR JESUS.

     3º.Por causa da obra do nosso Sumo Sacerdote, podemos nos aproximar com total certeza e fé, porque nosso coração já foi purificado tanto pelo sangue como pelo trabalho da Palavra - (v.22).

        3º.O termo "guardemos firme a confissão" no original significa: "tomar posse daquilo que já foi declarado". Os versículos 19 e 20 nos mostram a obra, e o versículo 21 nos mostra a pessoa do Filho. Portanto, o versículo 23 nos exorta a tomar posse da obra e da pessoa do Filho. Aquele que fez a promessa é "fiel"; isto é, o Filho, nosso Sumo sacerdote é Fiel - (Hb 2.17).

 

Depois de recebermos o pleno conhecimento da verdade, experimentarmos a CRISTO como nosso Sumo Sacerdote, que está a destra do Pai ministrando o Pai para dentro de nós. Depois de vermos que o caminho até o trono da graça está aberto pelo sangue de CRISTO. Depois de  nos tornarmos participantes da Superioridade do sacrifício de CRISTO, e de todas as bênçãos eternas que temos em CRISTO, se viermos retroceder estaremos ferindo profundamente o coração de DEUS. Este é o pecado deliberado. Este é o tipo de pecado que as pessoas cometem de olhos abertos.



Escrito por Luiz Fontes às 12:30:15
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


 

ANÁLISE TEXTUAL

 

Quero fazer uma análise mais detalhada de alguns termos segundo o original grego dos versículos:

"Quanto mais" - (v.29) - exprime a idéia de maior intensidade em relação à conseqüência do pecado deliberado.

"calcar aos pés o Filho de DEUS" - No grego é Katpateo indica "desprezo", "desdenho", "insultar".

"profanar o sangue da aliança" - "profanar"  significa: "tratar com irreverência", "desrespeitar", "ofender", "afrontar", "desonrar". Isso indica que podemos considerar o Sangue do SENHOR JESUS uma coisa comum.

"ultrajar o ESPÍRITO da graça" - No grego "ultrajar" é enubridzo, e significa: "não cumprir a lei", "desrespeitar", "transgredir", "ofender gravemente a dignidade de", "afrontar", "desonrar", "insultar".

 

Quando traduzimos estes termos do original, podemos ver a gravidade de pecar deliberadamente contra DEUS, como fez Acaz. É rejeitar, desdenhar, tratar com irreverência a obra e a pessoa do Filho de DEUS; é ofender gravemente o ESPÍRITO SANTO, porque é ele quem aplica essas experiências na vida do cristão.



Escrito por Luiz Fontes às 12:29:55
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


 

O DESPREZO À CRUZ DE CRISTO

 

O capítulo 16 de 2 Reis, versículos 10 a 16 nos contam que certo  dia Acaz foi a Damasco, e lá viu um altar pagão. A Bíblia diz que Acaz tomou a planta daquele altar pagão e enviou ao sacerdote Urias para que se fizesse um altar idêntico àquele altar pagão.

Quando examinamos os versículos 12 a 15 vemos a seriedade da situação, vejamos:

v.12: "Vindo, pois, de Damasco o rei, viu o altar, chegou-se a ele e nele sacrificou".

v.13: "Queimou o seu holocausto e a sua oferta de manjares, derramou a sua libação e aspergiu o sangue das suas ofertas pacíficas naquele altar".

v.14: "Porém o altar de bronze, que estava perante o SENHOR, tirou ele de diante da casa, de entre o seu altar e a Casa do SENHOR e o pôs ao lado do seu altar, do lado norte".

v.15: "Ordenou também o rei Acaz ao sacerdote Urias, dizendo: Queima, no grande altar, o holocausto da manhã, como também a oferta de manjares da tarde, e o holocausto do rei, e a sua oferta de manjares, e o holocausto de todo o povo da terra, e a sua oferta de manjares, e as suas libações; todo sangue dos holocaustos e todo sangue dos sacrifícios aspergirás nele; porém o altar de bronze ficará para a minha deliberação posterior".



Escrito por Luiz Fontes às 12:29:40
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


 

Há algumas preciosas verdades que DEUS deseja nos falar dentro destes textos, vejamos:

1º.A troca dos valores espirituais. Acaz desprezou aquilo que era sagrado, aquilo que apontava para a cruz de CRISTO. Em Êxodo 27.1,2 o SENHOR falou a Moisés: "Farás também o altar de madeira de acácia; de cinco côvados será o seu comprimento, e de cinco, a largura (será quadrado o altar), e de três côvados, a altura. Dos quatro cantos farás levantar-se quatro chifres, os quais formarão uma só peça com o altar; e o cobrirás de bronze". Vejamos as lições espirituais contidas nesse altar:

1ª.Lição - O altar do sacrifício nos fala da obra da cruz.

2ª.Lição - A "madeira de Acácia" - a incorruptibilidade da vida humana do SENHOR JESUS.

3ª.Lição - O número "cinco" - é o número da responsabilidade do homem.

4ª.Lição - O número "três" - revela a "unidade da divindade na Trindade". É o número que fala da expressão da comunhão do DEUS-Triúno.

5ª.Lição - O número cinco fala-nos também da graça de DEUS é a medida da cruz de CRISTO. O Pai, o Filho e o ESPÍRITO SANTO são as três pessoas da bendita Trindade divina. Essas três pessoas divinas são representadas pelo número 3. O número 4 é o número da criação. Por isso aqueles querubins que representam a criação, tinham quatro rostos. Em Apocalipses capítulo 4, DEUS é adorado pela criação. No capítulo 5 de Apocalipse DEUS é adorado pela redenção. Depois da obra da criação, DEUS descansou da obra da criação mas seguiu trabalhando em outra obra. "Meu Pai trabalha até agora, e eu trabalho também" - (Jo 5.17). A obra que seguiu a criação foi a redenção. A graça, é representada pelo número 5, aparece no capítulo 5 de Apocalipses. Aparece o Cordeiro, que agora é adorado porque "com Seu sangue redimiu para DEUS, povos de toda língua e nações". Portanto, o número 5 é o número da graça. 

 

Como temos visto o "altar do sacrifício", que é uma figura da cruz de CRISTO, vemos a predominância do número cinco. O número cinco é o número que corresponde às medidas da cruz de CRISTO, pois espiritualmente nos fala da graça de DEUS. Esse  "altar de bronze"  era onde o cordeiro oferecido em sacrifício, e isso prefigurava a cruz de CRISTO, que é a mais elevada expressão da graça de DEUS. Nessas medidas do "altar do sacrifício" está à prova da graça de DEUS; isso nos revela também a obra perfeita de CRISTO. A altura deste "altar" era de "três côvados"; isto porque, a obra da cruz tinha que estar de acordo com o caráter de DEUS. Tinha que corresponder ao valor que DEUS exigia dela. Todas essas verdades espirituais foram às verdades que Acaz menosprezou; pois esse altar era uma sombra da cruz de CRISTO.



Escrito por Luiz Fontes às 12:29:22
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


 

 

O PADRÃO DE DEUS

 

Será que compreendemos o padrão de DEUS em relação a serviço cristão? Será que entendemos que DEUS não aceita mistura do nosso serviço a Ele com as coisas do mundo? Será que isso não nos impressiona? Será que podemos perceber quantas coisas Acaz estava menosprezando?

Irmãos devemos ser claros em relação à nossa vida cristã, pois, quantas coisas temos introduzido na Igreja do SENHOR JESUS, só porque elas funcionam muito bem no mundo! Será que nos damos conta do quanto temos abandonado o modelo que DEUS nos tem dado, para introduzir aquilo que julgamos interessante e atrativo? Talvez o nosso modelo de adoração não atraia as pessoas, mas deve atrair a DEUS.

Podemos recordar a passagem de Romanos 1.23: "E mudaram a glória do DEUS incorruptível em semelhança da imagem de homem corruptível, e de aves, e de quadrúpedes, e de répteis". Aqui neste texto a palavra grega para "mudaram" é allasso, que significa: "trocar uma coisa por outra". A palavra "semelhança" no grego é homoioma e significa: "figura", "imagem", "representação".



Escrito por Luiz Fontes às 12:28:56
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


A LEPRA – UMA FIGURA DO PECADO

 

Palavra ministrada em 16.11.08

 

 

         O rei Uzias foi muito bem sucedido, mas infelizmente ele não compreendeu que foi o SENHOR que lhe fez prosperar – (2 Cr 26.5). Por esta razão, ele permitiu que seu coração fosse tomado pelo orgulho e assim, não satisfeito em ter a realeza, buscou para si também o sacerdócio.

         O versículo 16 de 2 Crônicas 26, diz que ele “...entrou no templo do SENHOR para queimar incenso no altar do incenso”. Este ofício era dos sacerdotes, algo que DEUS havia designado a Arão e seus filhos – (Nm 18.1-7).  Este pecado é descrito em Números 18 como sendo a “iniquidade do santuário”, que espiritualmente significa levar para o serviço ao SENHOR algo que não proceda da vida em ressurreição. Temos algo para aprender nesse episódio, e, portanto precisamos ler uma série de textos que nos introduzirão para o cerne da revelação espiritual:

2 Crônicas 26.16-21:

v.16: “Mas, havendo-se já fortificado, exaltou-se o seu coração para a sua própria ruína, e cometeu transgressões contra o SENHOR, seu DEUS, porque entrou no templo do SENHOR para queimar incenso no altar do incenso”.

v.17: “Porém o sacerdote Azarias entrou após ele, com oitenta sacerdotes do SENHOR, homens da maior firmeza”;

v.18: “e resistiram ao rei Uzias e lhe disseram: A ti, Uzias, não compete queimar incenso perante o SENHOR, mas aos sacerdotes, filhos de Arão, que são consagrados para este mister; sai do santuário, porque transgrediste; nem será isso para honra tua da parte do SENHOR DEUS”.

v.19: “Então, Uzias se indignou; tinha o incensário na mão para queimar incenso; indignando-se ele, pois, contra os sacerdotes, a lepra lhe saiu na testa perante os sacerdotes, na Casa do SENHOR, junto ao altar do incenso”.

v.20: “Então, o sumo sacerdote Azarias e todos os sacerdotes voltaram-se para ele, e eis que estava leproso na testa, e apressadamente o lançaram fora; até ele mesmo se deu pressa em sair, visto que o SENHOR o ferira’.

v.21: “Assim, ficou leproso o rei Uzias até ao dia da sua morte; e morou, por ser leproso, numa casa separada, porque foi excluído da Casa do SENHOR; e Jotão, seu filho, tinha a seu cargo a casa do rei, julgando o povo da terra”.

 

Levítico 13.43-46:

v.43: “Havendo, pois, o sacerdote examinado, e eis que, se a inchação da praga na sua calva ou antecalva está branca, tirando a vermelho, como parece a lepra na pele da carne”,

v.44: “leproso é aquele homem; imundo está; o sacerdote o declarará totalmente imundo; na sua cabeça tem  a praga”.

v.45: “Também as vestes do leproso, em quem está a praga, serão rasgadas, e a sua cabeça será descoberta; e cobrirá o lábio superior e clamará: Imundo, imundo”.

v.46: “Todos os dias em que a praga estiver nele, será imundo; imundo está, habitará só; a sua habitação será fora do arraial”.

 



Escrito por Luiz Fontes às 16:21:16
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Isaías 6.1-8:

v.1: “No ano da morte do rei Uzias, eu vi o SENHOR assentado sobre um alto e sublime trono, e as abas de suas vestes enchiam o templo.

v.2: “Serafins estavam por cima dele; cada um tinha seis asas: com duas cobria o rosto, com duas cobria os seus pés e com duas voava”.

v.3: “E clamavam uns para os outros, dizendo: Santo, santo, santo é o SENHOR dos Exércitos; toda a terra está cheia da sua glória”.

v.4: “As bases do limiar se moveram à voz do que clamava, e a casa se encheu de fumaça”.

v.5: “Então, disse eu: ai de mim! Estou perdido! Porque sou homem de lábios impuros, habito no meio de um povo de impuros lábios, e os meus olhos viram o Rei, o SENHOR dos Exércitos!”.

v.6: “Então, um dos serafins voou para mim, trazendo na mão uma brasa viva, que tirara do altar com uma tenaz”;

v.7: “com a brasa tocou a minha boca e disse: Eis que ela tocou os teus lábios; a tua iniqüidade foi tirada, e perdoado, o teu pecado”.

v.8: “Depois disto, ouvi a voz do SENHOR, que dizia: A quem enviarei, e quem há de ir por nós? Disse eu: eis-me aqui, envia-me a mim”.

 

Quando Isaías vê os Serafins, ele descreve assim: “Serafins estavam por cima dele; cada um tinha seis asas”. Nós temos que aprender algumas lições com esses Serafins, pois aqui está uma revelação do caráter da verdadeira adoração. A visão era de DEUS em Seu alto e sublime trono. Então, vejamos:

Isaías viu que os Serafins cobriam seus rostos com duas asas. Isso nos fala de reverência e temor diante da presença de DEUS. Isto nos ensina que não devemos nos intrometer nos mistérios, os quais DEUS não nos revelou. Devemos viver alegres com aquilo que Ele tem nos falado. A reverência e o temor excluem a especulação acerca das coisas que DEUS ainda não nos revelou. Quando alcançamos os limites mais profundos das Escrituras é hora de parar com os argumentos e começar com a adoração. 

Outro detalhe que o profeta descreve em sua visão foi que os Serafins cobriam os seus pés. Isso nos fala de modéstia e humildade ante a presença de DEUS. É outro aspecto da verdadeira adoração. Os genuínos adoradores são aqueles que jamais chamam atenção para si. Jamais buscam distrair as pessoas, para que elas possam concentrar-se unicamente em DEUS. Somente quando o “eu” se rende, DEUS é exaltado.

Outra característica dos anjos que Isaías viu era que com duas asas eles voavam. A idéia aqui é de disponibilidade: Essa disponibilidade pertence ao verdadeiro espírito de adoração, adoração que reconhece o senhorio e a grandeza de DEUS. Adoração obediente e disponível. Nossa adoração, assim como a adoração dos anjos, deve incluir elementos de reverência, humildade e disponibilidade para servir, ou estaremos, na prática, rebaixando a DEUS, isto é, perdendo de vista Sua grandeza e colocando-O em nosso nível. Devemos nos examinar à luz da Palavra de DEUS, porque a irreverência, a presunção e a paralisia espiritual frequentemente desfiguram nossa adoração. Devemos recuperar o sentido da grandeza de DEUS que os anjos expressam. 

 



Escrito por Luiz Fontes às 16:20:17
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Há mais um aspecto que chama a minha atenção é que Isaías diz: “toda a terra está cheia da sua glória”.  Aqui temos uma expressão clara da onipresença de DEUS. O termo glória significa a presença de DEUS revelada, para que Sua natureza e poder se tornem evidentes. Devemos saber que em lugar algum podemos escapar da presença de DEUS. Esta realidade tem que nos impressionar. Creio que para aqueles que temem o SENHOR e amam Sua presença, esta é uma boa notícia. Mas para aqueles que desprezam Sua presença esta é uma má notícia.  Nada passa despercebido aos Seus olhos. Todas as nossas práticas perversas estão patentes aos Seus olhos; não importa o quanto tentemos escondê-las.

Veja o exemplo de Davi no Salmo 139. Ele inicia esse salmo assim: “SENHOR, tu me sondaste e me conheces. Tu conheces o meu assentar e o meu levantar; de longe entendes o meu pensamento. Cercas o meu andar e o meu deitar; e conheces todos os meus caminhos. Sem que haja uma palavra na minha língua, eis que, ó SENHOR, tudo conheces”  -  (vv.1-4). Davi celebra neste salmo quatro atributos de DEUS: Sua onisciência - (vv.1-6); Sua onipresença - (vv.7-12); Seu poder - (vv.13-18); Sua santidade - (vv.19-24). Agora note que Davi termina este salmo dizendo: “Sonda-me, ó DEUS, e conhece o meu coração; prova-me e conhece os meus pensamentos. E vê se há em mim algum caminho mau e guia-me pelo caminho eterno” – (vv.23,24). Davi se rende diante desse conhecimento e da onipresença de DEUS; não há como esconder nada Dele. Quando Davi diz “sonda-me”, o termo hebraico aqui é chaqar, que espiritualmente significa: Examinar minuciosamente as profundezas do nosso ser. Só DEUS pode ir aos lugares mais profundos do nosso ser; aqueles lugares onde jamais abriríamos para qualquer pessoa. Esses lugares são onde residem os pensamentos mais secretos, os desejos mais depravados. Como Davi, temos que orar e pedir que DEUS vá até essas profundezas para nos livrar dos caminhos maus do nosso coração. Nossos pensamentos precisam ser provados para que a Palavra de DEUS possa fluir livremente, e assim tenhamos comunhão com DEUS.

 



Escrito por Luiz Fontes às 16:19:30
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


 

 

“Estou perdido”

 

Isaías diz: “ai de mim! Estou perdido!” – (v.5). Se você estudar esta frase no original hebraico verá que seu significado é “sou digno de morte”. Este é exatamente o significado da palavra hebraica neste texto. Isaías chega ao seu próprio fim. Olhe o final do versículo 5: “os meus olhos viram o Rei, o SENHOR dos Exércitos!”. Essa visão de DEUS o levou à visão de quem ele era. Ele não era melhor do que Uzias. A questão da lepra é um problema geral, vejamos: “Porque sou homem de lábios impuros, habito no meio de um povo de impuros lábios”. Quando uma pessoa estava com lepra, ela devia cobrir os lábios superiores com véu e clamar Imundo, imundo” – (Lv 13.45). Então, veja que Isaías viu sua própria condição diante de DEUS. Ele se sentiu devastado e perdido, porque viu sua real condição diante do SENHOR. A exaltação do coração de Uzias, sua soberba eram a lepra que o matou. Isaías pôde ver essa mesma “lepra” em seu coração. Por esta razão ele gritou: “ai de mim! Estou perdido!”.



Escrito por Luiz Fontes às 16:18:39
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


“Habito no meio de um povo de lábios impuros”

 

A conformidade de Isaías aos costumes e impurezas da sociedade que o cercava tornava sua culpa maior; embora ele mesmo não se desse conta de toda realidade que o cercava. O profeta só foi capaz de ver a real condição daquilo que estava ao seu redor quando ele viu sua condição diante de DEUS. Isso gera quebrantamento em nosso espírito e nos livra da arrogância e da soberba. Quando ele diz: “vi o SENHOR”, o resultado é uma revelação do estado espiritual ao seu redor

 

 

QUAL ERA A NATUREZA DO CHAMDO DE ISAÍAS

 

Vamos ler os versículo 9 e 10 do capítulo 6 de Isaías:

v.9: “Então, disse ele: Vai e dize a este povo: Ouvi, ouvi e não entendais; vede, vede, mas não percebais”.

v.10: “Torna insensível o coração deste povo, endurece-lhe os ouvidos e fecha-lhe os olhos, para que não venha ele a ver com os olhos, a ouvir com os ouvidos e a entender com o coração, e se converta, e seja salvo”.

 

Estes textos nos mostram dois pontos importantes:

1º. O SENHOR conhecia o estado do coração desse povo. Ele sabia perfeitamente que eles em realidade não tinham nenhum desejo de ver e nem de ouvir. Se de verdade quisessem ver, teriam atitudes completamente diferentes. “Se não queres, vai perder a capacidade de querer. Se não queres ver, perderás a capacidade de ver. Se não queres ouvir, perderás a capacidade de ouvir”.

2º. O juízo sempre vem em consonância com o que há no coração do povo.

 



Escrito por Luiz Fontes às 16:16:55
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


SÓ PODEMOS SERVIR A DEUS COM AQUILO QUE É DE DEUS

 

Nada a não ser aquilo que procede de DEUS pode ser usado no serviço a Ele. Veja como a Bíblia descreve a alegria de Davi quando trazia a Arca do SENHOR para Jerusalém: “Davi e toda a casa de Israel alegravam-se perante o SENHOR, com toda sorte de instrumentos de pau de faia, com harpas, com saltérios, com tamboris, com pandeiros e com címbalos” – (2 Sm 6.5).

Agora preste atenção no versículo 6, porque o ESPÍRITO SANTO nos dá um quadro espiritual neste texto: “Quando chegaram à eira de Nacom, estendeu Uzá a mão à arca de DEUS e a segurou, porque os bois tropeçaram”. Aqui temos dois nomes que formam um quadro para nós: “Nacom” e “Uzá”, os quais significam: “preparado” e “força”. Dois termos que descrevem a força humana e carnal no serviço a DEUS.

O que vemos descrito no versículo 7 de 2 Samuel 6 é simplesmente o sentimento de DEUS em ver Sua Palavra sendo tripudiada em meio a toda aquela alegria. DEUS estava reprovando a maneira como Davi estava conduzindo a Arca. A Arca deveria ser levada pelos levitas; DEUS mandou construir varais para que os levitas levassem a Arca e não carro de bois.

A Bíblia diz que DEUS feriu Uzá por causa da irreverência – (v.7). Quem jamais pôde pensar que em um ambiente com tanta alegria e motivações corretas, que era trazer de volta a Arca do Testemunho para Jerusalém, houvesse tamanha irreverência? Temos que compreender que DEUS em primeira instância tem compromisso com Sua Palavra. Essa carroça de Uzá e Aiô é uma figura depreciativa dos muitos cultos que oferecemos a DEUS.

Podemos ter reuniões anima­das em que as emoções são despertadas, mas isso pode estar totalmente no plano natural. O irmão Watchmam Nee certa vez disse: “Toda obra [para DEUS] deve ser um serviço a DEUS”. Da mesma forma podemos ver a Igreja de Éfeso em Apocalipse capítulo 2 e os versículos 1 a 7. Quando lemos os versículos 2,3 e 6 que diz: “Conheço as tuas obras, tanto o teu labor como a tua perseverança, e que não podes suportar homens maus, e que puseste à prova os que a si mesmos se declaram apóstolos e não são, e os achaste mentirosos; e tens perseverança, e suportaste provas por causa do meu nome, e não te deixaste esmorecer. Tens, contudo, a teu favor que odeias as obras dos nicolaítas, as quais eu também odeio”. Quando você lê esses textos, é impossível não imaginar que essa Igreja não ame o SENHOR. Eu creio que esta Igreja O amava. A questão é que CRISTO não ocupava mais a centralidade entre eles. Todo esse trabalho, e devoção se tornaram um fim em si mesmo. Quando você estuda o termo “primeiro”  no versículo 5, no original é próten, que significa “o melhor”. A idéia aqui é de primazia. Ricardo Barbosa em seu livro Conversas No Caminho no capítulo sobre de volta ao primeiro amor diz: “A eficiência, a exatidão. O trabalho, muitas vezes tentam substituir a devoção, a ternura e o desejo”. O que os irmãos de Éfeso não perceberam é que trabalho, a perseverança e o zelo haviam se tornado um fim, e não a consequência do amor deles por CRISTO. A preeminência de CRISTO havia sido substituído pela vida cristã. A vida cristã é uma vida vivida na expressão de viver CRISTO. Todas essas práticas deviam ser a conseqüência do amor deles ao SENHOR JESUS. Comentando sobre este assunto, Ricardo Barbosa neste mesmo capítulo ainda diz: “A Igreja de Éfeso amava o SENHOR, mas não O amava como amou um dia, abandonou aquele amor. Tornou-se mais rigorosa, porém menos espontânea; mais eficiente, mas menos natural; mais crítica, e menos generosa. A fronteira entre o primeiro amor e o amor de hoje é tênue, quase sutil. Penso que a forma de discernir s diferença entre um e outro está na primazia que o amor e o desejo encontram-se nas nossas motivações”.  



Escrito por Luiz Fontes às 23:07:24
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


 

ESTUDO DOS REIS DE JUDÁ

 

UZIAS - A SÍNDROME DA MEGALOMANIA

 

Palavra ministrada no dia 09.11.08

 

A INIQÜIDADE DO SANTUÁRIO

 

Vamos ler Números 18 e os versículos 1 a 4,7:

v.1: "Disse o SENHOR a Arão: Tu, e teus filhos, e a casa de teu pai contigo levareis sobre vós a iniqüidade relativamente ao santuário; tu e teus filhos contigo levareis sobre vós a iniqüidade relativamente ao vosso sacerdócio".

v.2: "Também farás chegar contigo a teus irmãos, a tribo de Levi, a tribo de teu pai, para que se ajuntem a ti e te sirvam, quando tu e teus filhos contigo estiverdes perante a tenda do Testemunho".

v.3: "Farão o serviço que lhes é devido para contigo e para com a tenda; porém não se aproximarão dos utensílios do santuário, nem do altar, para que não morram, nem eles, nem vós".

v.4: "Ajuntar-se-ão a ti e farão todo o serviço da tenda da congregação; o estranho, porém, não se chegará a vós outros".

v.7: "Mas tu e teus filhos contigo atendereis ao vosso sacerdócio em tudo concernente ao altar, e ao que estiver para dentro do véu, isto é vosso serviço; eu vos tenho entregue o vosso sacerdócio por ofício como dádiva; porém o estranho que se aproximar morrerá".

 

Estes textos têm como conseqüência os acontecimentos do capítulo 16 de Números. A Bíblia relata nesse capítulo a rebelião de Datã, Coré e Abirão. Esses três homens eram preeminentes dentre o povo. Mas certo dia "se ajuntaram contra Moisés e contra Arão e lhes disseram: Basta! Pois que toda a congregação é santa, cada um deles é santo, e o SENHOR está no meio deles; por que, pois, vos exaltais sobre a congregação do SENHOR?" - (Nm 16.3). Eles julgaram Moisés e Arão; disseram que eles estavam se exaltando sobre o povo. Mas por detrás destas palavras havia um espírito de rebelião. Moisés e Arão se lançaram com o rosto em terra diante da congregação. Eles chegaram a dizer que não iriam subir à terra de Canaã - (v.14). A ira de DEUS se manifestou trazendo Seu juízo sobre esses homens. A Bíblia diz em Números 16.33: "Eles e todos os que lhes pertenciam desceram vivos ao abismo; a terra os cobriu, e pereceram do meio da congregação".

Após esse episódio, avancemos ao capítulo 17; nesse capítulo DEUS pede que Moisés faça uma convocação a todos os príncipes de cada uma das tribos de Israel, inclusive Arão, que eles tragam suas varas e as coloque diante da Arca do Testemunho. Todas as varas passaram a noite diante da Arca do Testemunho, e na manhã seguinte somente a vara de Arão florescera - (Nm 17.8). Espiritualmente falando, DEUS estava mostrando que a autoridade espiritual para o serviço a Ele, provém do poder da vida em ressurreição. Ali estava o testemunho da autoridade espiritual.

Agora ficam claros para nós os textos do capítulo 18 de Números. O SENHOR está mostrando os princípios espirituais para o ministério no santuário; o estranho que se aproximar do santuário morrerá. Veja que o SENHOR havia estabelecido as ofertas para a expiação do pecado, mas esse pecado da iniquidade do santuário não merece perdão. Quem violasse seria morto. Esse tipo de iniqüidade, diferentemente de mentir ou matar, da soberba ou de alguma forma, da quebra da lei, não é fácil de ser expiado. O pecado da iniqüidade do ministério não deve ser perdoado. Esse tipo de coisa simples­mente não deve ser permitido, tolerado ou perdoado. Qualquer pessoa que praticasse algum outro pecado poderia ser purificado e perdoado, mas este não.



Escrito por Luiz Fontes às 12:23:01
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]
 
Histórico


Votação
Dê uma nota para
meu blog



Outros sites
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis
 Celebrando DEUS